O novo trabalho – qualidade de vida e menor impacto


the-eleventh-hour-758723_1920

Seis horas da manhã. Relógios despertam, e uma multidão, simultaneamente, dirige-se ao banheiro para tomar banho, escovar os dentes, fazer a barba. Pico de consumo da água e de energia. Sete horas. A multidão tira seus veículos da garagem, grande parte dos quais transportam apenas uma pessoa, queimando combustíveis fósseis para fazer mover o automóvel de quase uma tonelada, e o passageiro de cerca de 70 kg. Pico de emissões de poluentes, trânsito engarrafado, risco de acidentes alto. Batem dezoito horas, é feito o caminho contrário. A multidão segue de volta para suas casas, emitindo gases de efeito estufa, ficando mais tempo que o necessário no trânsito, chegando em casa exausta e correndo para o banho.

Será que sempre foi assim e sempre será? Certamente que não. O “horário de expediente” é algo que deve ter sido criado na época da Revolução Industrial, por força de as fábricas precisarem de um horário definido para abrir e fechar, ligar e desligar as máquinas. Antes disso, o trabalho era algo menos concentrado geograficamente. Lavradores cultivavam a terra anexa a suas casas, sapateiros, ferreiros e outros profissionais possuíam seu estabelecimento frequentemente anexos a suas casas. O horário de trabalho era bem mais flexível. Os adolescentes aprendiam desde cedo com a observação, a família em si estava por perto e participava do ofício direta ou indiretamente. Não havia uma separação tão compartimentada entre vida pessoal e profissional. Certamente a criação de espaços próprios para o trabalho trouxe muitos ganhos, em especial quanto à saúde e segurança do trabalhador. Por outro lado, havia mais liberdade e menos insatisfação. Menos estresse, menos depressão.

E no futuro? O que se pode esperar? Bem, talvez num futuro não muito distante possamos conciliar o melhor dos dois mundos. E é isso que decidimos experimentar em nossa empresa, a Jacarandá Soluções Ambientais. Um esquema baseado em escritórios residenciais, muita comunicação via computadores e smartphones, aproveitamento dos compartilhamentos em nuvens e ferramentas de edição de documentos online. Nossa equipe é formada por consultores livres para trabalhar de onde quiserem e quando quiserem, e que também estão livres para participarem de outros projetos em outras organizações. Isso exige um esforço de gerenciamento de pessoal maior, sem dúvida. Que só funciona baseado em muita confiança e comprometimento mútuo com os projetos. Por outro lado, trabalhamos com pessoas sempre motivadas e felizes. Além disso, com um custo fixo baixo, a empresa funciona como um barco leve, capaz de atravessar a crise com mais resiliência.

Podendo contar com o apoio de modernos escritórios compartilhados para reuniões, e estando atentos para manter a vida fiscal em ordem nesse formato, é uma fórmula que tem dado (muito) certo.

Apostamos nesse modelo porque acreditamos que a liberdade e a sustentabilidade que ele proporciona valem a pena. Esperamos ver outras empresas e startups nascerem com essa nova concepção de trabalho, e que isso torne as pessoas mais felizes e plenas, sendo um ser humano integral, conciliando as vidas pessoal e profissional com mais naturalidade.

3 thoughts on “O novo trabalho – qualidade de vida e menor impacto

  1. Parabéns Dan e Carol! Eu acredito que o caminho da sustentabilidade é o da otimização de recursos, da simplificação, do compartilhamento, da desburocratização. Estou nessa com vocês.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s