Ode às fruteiras: o charmoso hábito brasileiro


Foto: Alessandro Leite @ Flickr
Uma foto bem, digamos, retrô em homenagem às mesas de vovós com fruteiras

Eu confesso: até bem pouco tempo, não era fã de usar frutas para enfeitar  a mesa, não. Achava coisa cafona, de sala de jantar de tia-avó. Mas de tanto o Dan falar que gostava, que frutas são bonitas, que lhe traziam uma sensação boa, de abundância, acabei cedendo. E não é que ele tinha razão?

Nossas mães e avós tinham o costume de colocar uma fruteira – que podia ser simplesmente uma gamela de madeira velha ou  uma tigela improvisada – para enfeitar as mesas da cozinha e sala de jantar. Com o tempo, acabamos substituindo esses hábitos por instalar no nobre centro das mesas umas fruteiras “chiques” com bolas de isopor ou resina enfeitadas. (? que raios….) Era o máximo modernoso! Agora, já isso é cafona também.

Agora aqui em casa ou temos um vaso de flores (aqui que máximo, ó 😉 ou uma boa e velha fruteira cheia de frutas. Quando elas vão minguando, porque acontece, retiro ela para a cozinha até passar no sacolão e recheá-la de novo.

Porque fruteiras são legais:

  1. Frutas são uma decoração bonita e barata – e, há quem diga, ‘vintage’ 😉
  2. A decoração muda a cada passadinha no mercado, feira ou sacolão
  3. O mais importante: incentiva você a comer melhor. Frutas à mão = mais frutas na barriga

Por isso, esconda aquele vidro pomposo com doces e coloque a fruteira à vista.

Pelo retorno das velhas, boas e simples fruteiras cheia de delícias frescas enfeitando as nossas mesas!

Arranjo de flores


Arranjo de flores

 

Eu tinha um sonho… o de colher flores no meu próprio jardim e fazer arranjos para decorar a casa. Ficava fascinada como isso era possível e rotineiro na região de Devon, Inglaterra, onde passei três semanas fazendo um curso inesquecível sobre Sustentabilidade na Prática, no inovador Schumacher College.

Pois estas semanas, mesmo com a estiagem brava de Mina Gerais nesta época, as flores dão o ar da graça. Principalmente azaléias. Aliás, aprendi com elas que se deve observar as plantas que são comumente usadas em sua região, que geralmente são as que  ficam sempre vistosas e exigem pouca manutenção. Aqui em BH as azaléias reinam, principalmente no inverno. Foi isso que me convenceu – felizmente – a mante-las no meu jardim e plantar mais mudas.

Hoje, flores de orquídeas pingo de ouro, trepadeira lágrima de cristo e muitas azaléias – rosa choque, rosa claro, brancas… 🙂

Sachês anti-formigas


Sempre simpatizei com formigas. Insetos sociais são tão inteligentes! Eu costumava ficar seguindo a trilha delas ou fazer uma “cidade” para as formigas, com potes de margarina, montinhos de terra, pontes de palitos e canaizinhos de água. Hoje continuo gostando delas, mas na cozinha, convenhamos, não ficam bem. Já notei que é época. Agora no inverno, aparecem não sei de onde aquelas grandes, vermelhas, e ficam procurando migalhas nos meus armários da despensa.

Aqui uma dica da minha mãe, para repelir insetos nos armários da cozinha: sachezinhos feitos com retalho de pano e fitinhas de cetim, recheados com cravo da índia. Vou tentar fazer alguns, porque aqui em casa está na época das formigas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Dica: Outros repelentes com cravo, para mosquitos, aqui neste post.

Quadros de bastidor de bordado


Gosto muito de enfeitar a casa. E de um jeito barato e fácil, porque não tenho muito tempo nem grana para dedicar. Uma grande sacada foi fazer a decoração da parede da nossa cama com quadrinhos feitos de bastidor de bordado, uma boa idéia que vimos na revista Vida Simples. Quem tem vó ou tia que borda, pode reutilizar um antigo, mais barato, charmoso e sustentável ainda! Como eu não consegui um usado com ninguém, comprei, de tamanhos diferentes. Juntei uns retalhos de tecido, combinei entre si e preparei, com o fácil passo-a-passo abaixo.

1. Risque o tecido com o tamanho do bastidor, lado maior.

2. Corte o tecido no tamanho riscado.

3. Encaixe o tecido no bastidor.

4. Arranje o(s) bastidor(es) na parede a gosto.

Pronto! Um jeito super fácil de dar uma caprichada numa parede branca! E quando enjoar, ou quando quiser combinar com outras almofadas, colchas, etc., basta trocar o tecido.

Arranjo de manjericão: decorando com ervas


Arranjo de manjericão

Como quase toda mulher, acho um charme poder decorar a casa com arranjos de flores. Mas flores nem sempre são baratas ou fáceis de encontrar. Sempre achei o máximo poder fazer um arranjo com flores do próprio jardim, mas me parecia algo distante. Hoje, alegro-me em ter algumas flores plantadas no jardim do apartamento, e posso dar-me esse luxo de vez em quando.

Mas nem só de plantas ornamentais vive a decoração. Se você tem pouco espaço e está priorizando o plantio de ervas comestíveis, elas tambem podem fazer as vezes de enfeite. Num almoço que fiz para celebrar o aniversário de casamento dos meus pais, usei metades de pimentões vermelhos e amarelos como vasos, e neles arranjei buquês de salsinha e cebolinha. Ficou uma graça!

Como já contei em outro post, as flores de manjericão são lindas para fazer um arranjo delicado. O manjericão, se tiver espaço, cresce generosamente e pode encher de flores. Dizem que não é recomendável deixá-lo gerar sementes, pois ele pode morrer após esse último esforço reprodutivo. Então, o que faço, é colher vários ramos com flores, usar para decorar – ou fazer pesto e congelar.

As ervas têm tripla utilidade: enfeitam, perfumam o ambiente e depois vão enriquecer um prato!

Use a criatividade, as possibilidades são infinitas!

Não compre, reinvente!


Olá, pessoal!

Num desses feriados prolongados resolvemos dar uma renovada na nossa sala de jantar. Tínhamos ganhado um jogo de mesas, cadeiras e aparador quando casamos. Eram usados, mas foi um presentaço! Só que eram um pouco apagadinhos pro meu gosto…

Compramos tecido no início do ano, pegamos emprestado o grampeador de tapeceiro de um amigo, e no feriado nos debruçamos sobre as cadeiras para reinventá-las…. Olhem só como ficaram! 🙂

Este slideshow necessita de JavaScript.

Empolgamos tanto que acabamos mudando também uma cadeira do escritório e, adivinhem só, duas das gavetas do aparador!

Com mais alguns vasinhos, está pronta uma nova sala de jantar, sem comprar móvel nenhum!

Renovar é sempre bom, mas não precisa comprar mais pra conseguir isso. Reinvente!

Dona-de-casa.com : o charme e a sustentabilidade do feito-à-mão


Impressionante a maré de blogs sobre casa, decoração, culinária e artesanato que surgiu nos últimos anos. Parece que as mulheres afinal têm assumido a sua veia dona-de-casa, após um período de repressão por causa de um feminismo equivocado.

Eu sou contra o feminismo. E sou contra o machismo também. Nem um nem outro: a mulher e o homem têm o mesmo valor e são complementares. Aparentemente, com o esforço de buscar por condições iguais que os homens, as feministas negaram parte de sua feminilidade. Mas não tem jeito, em todas as culturas, tanto as patriarcais quanto as matriarcais, a mulher é responsável por cuidar da casa, da roça, enquanto o homem sai para caçar, explorar e defender o terreno. Um padrão tão constante só tem de significar que é algo da natureza dos gêneros, mesmo.

Agora, em pleno séculoo XXI, as mulheres estão numa fase de libertação. A maior parte delas trabalha fora, mas nas horas livres dedica-se com gosto a arrumar a casa, cozinhar, bordar e, claro, visitar os blogs das comadres.

E há também a revelação dos homens que, com as mulheres mais ausentes da cozinha, descobriram que também são capazes de comandar o fogão – e, diga-se de passagem, na maior parte das vezes com maestria!

E o que isso tudo tem a ver com sustentabilidade? Simples, o retorno ao "feito à mão". Como uma reação à produção em grande escala, à homogeneização dos produtos industrializados, mais e mais pessoas estão se atraindo por fazer a própria comida, consertar a própria roupa, personalizar sua casa, etc. Se há algumas décadas previa-se um futuro sombrio em que almoçaríamos cápsulas alimentares e vestiríamos roupas prateadas sem identidade alguma, o que tem acontecido é um renascimento das habilidades da vovó.

Por uma questão de escala, as coisas feitas manualmente tendem a gerar menos impactos ambientais. Os resíduos são mais facilmente reaproveitados, diminuem os custos de transporte, há menos desperdício. E você ainda aprende a expressar sua personalidade naquilo que faz e descobre que não depende de dinheiro para tudo!

A seguir dicas de sites que celebram essa tendência (quem tiver mais dicas, mendem q a gente posta!)

donossoquintal.wordpress.com (hehe 😉
http://blogsupimpa.wordpress.com
http://peripeciasdalu.wordpress.com e http://peripeciasnacozinha.wordpress.com
www.rainhasdolar.com
moldandoafeto.wordpress.com/
www.mangacompimenta.com
www.casadamaris.blogspot.com
regina-ribeiro.blogspot.com

vejam também o Manifesto do blog Moda Supimpa: http://blogsupimpa.wordpress.com/o-manifesto-feito-a-mao/

Vida longa ao artesanal!

Caixotes repensados!


Em homenagem à Lê Hissa, que está de apê novo e me pediu para arranjar caixotes de madeira para esta invenção!

Caixotes de feira podem virar parte de um mobiliário bem original!

Visite o Ceasa de sua cidade, ou peça ao proprietário do scaolão do seu bairro. Verifique se está em condições, sem cupins e partes muito úmidas.

Depois é só experimentar cores e arranjos e formar novas estantes, criados mudos, etc.!

divirtam-se!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Irresistível, né? Dá vontade de ficar horas passenado no Google Imagens em busca de mais idéias!

Reciclando….mas com estilo!


Eu sempre fui um pouco avessa a reciclagem / reuso, porque não gosto de objetos que continuam parecendo com lixo!

Não gosto nem de bolsinhas de tampinha de latinhas, cestas de jornal, coisas que têm virado clássicos do artesanato popular. Não tem jeito, pra mim não dá,..

Mas ultimamente tenho visto umas idéias formidáveis, e comecei a olhar tudo com um novo olhar. Vidros, potes, garrafas, tudo pode se transformar em algo bacana, basta ter um pouco de bom gosto e carpicho!

Por outro lado, sempre aprendi com minha mãe (peripeciasdalu.wordpress.com) a não ficar acumulando "tranqueiras" só porque acha que um dia vai precisar daquilo. então, não serviu pra nada e ficou um mês no armário – vai pro lixo de recicláveis!

Eis duas coisas que tenho inventado com restos de embalagens, e duas idéias tiradas da web, apenas para aperitivo! De vez em quando postarei mais idéias 🙂