Home Carbon – calcule sua pegada ecológica


Você provavelmente já ouviu falar em pegada ecológica. Mas sabe o que isso significa? É uma medida do seu impacto no planeta, geralmente em termos de quanto recurso natural  você consome para sua vida. Pode ser medida em litros de água, quantidade de lixo gerado, área ocupada para produzir seus alimentos, etc., ou quantidade de carbono que é gerado para suprir seu dia-a-dia.

Nós estamos trabalhando num desafio, que vai começar do cálculo de seu impacto, ou pegada, e um “passo-a-passo” realista para como você se tornar aos poucos mais sustentável. O blog, a comunidade no Facebook e o grupo de e-mails serão ferramentas que ajudarão no caminho e vai tornar a jornada não só viável, mas também divertida!

Existem várias ferramentas na internet para calcular sua pegada ecológica. Internacionalmente, recomendamos o portal da Global Footprint Network, que além de calculadora de impacto tem muita, mais muita informação interessante!
…E, aqui no Brasil, temos uma ferramenta super bacana também, a do HomeCarbon, com quem estamos fazendo uma parceria. Eles fizeram uma calculadora de pegada ecológica muito legal, integrada ao Facebook para se registrar e compartilhar seus resultados com seus amigos.

A idéia dos idealizadores, Rodrigo Lagreca e Lais de Carvalho, é dar aos usuários uma ferramenta para conhecerem seu próprio perfil de interação com o ambiente, dando uma medida e dicas práticas para melhorar seu desempenho. O grande diferencial é poder compartilhar com os amigos no Facebook, assim fica muito mais interativo.

Enquanto nosso desafio ão fica pronto, vão conhecendo o portal e calculando: qual sua pegada ecológica hoje?

Para saber mais, leia a entrevista com os idealizadores.

Anúncios

A praça é mesmo nossa!


Levanta a mão quem usa mensalmente uma praça ou parque públicos. Agora levanta a mão quem vai semanalmente a um parque ou à praça dar uma volta. Ok, e agora levanta a mão quem usa todo dia uma praça do seu bairro.

Pois é. As praças e parques da cidade são uma riqueza da comunidade…mas a gente quase não usa. Felizmente, com a ideia genial das academias públicas, muita gente tem saído de casa com amigos para curtir um tempinho ao ar livre fazendo exercícios. Não sei quem inventou essa, mas merece um prêmio!

Verdade é que são sempre lugares gostosos. Onde a gente vê pessoas passarem, figuras interessantes, descobre um pouco mais da nossa vizinhança e aproveita u pouco a natureza dentro da área urbana. A Julinha está resfriada, e o Dan hoje me sugeriu – por que você não vai com ela até a praça tomar sol? Por conta de medo de vento e pela comodidade de ter sol em casa, acabo nunca saindo com ela para um tradicional passeio de bebê pela rua e pela praça. Tem uma praça pequena a dois quarteirões, não é a mais bem conservada, mas dá para curtir bem. Vou ver se adoto isso como hábito!

Uma ideia bem legal para curtir esses lugares públicos é fazer encontros e festas por lá. Em vez da pagar buffet e salão, é muito mais divertido e saudável! Lembra que fizemos o chá de bebê no parque da Pampulha?

Pois bem, temos uma surpresa!! No mês que vem vamos fazer uma fraldada / slingada em uma área verde pública para comemorar os seis meses da Júlia! Vamos compartilhar comes e bebes saudáveis, conhecer gente nova que tenta levar uma vida mais sustentável e trocar idéias com quem usa fraldas de pano modernas e slings! 🙂

E olha só…todos estarão convidados! Aguardem!  😀

PS: sugiro a quem quiser ir à festinha assinar o blog para não perder os próximos posts!

Outros encontros em praça: Slow food e Mostra instrumental:  http://mostrainstrumental.com/slow-food-piquenique/

Cozinha rápida = fast food?


Quem acompanha o blog há mais tempo participou do nosso desafio “Cozinhe mais, alimente-se melhor”. Foi muito bacana, com gente se inspirando a passar mais tempo prazeroso na cozinha, e até encorajando quem nunca tinha ficado no fogão a arriscar – e conseguir! – fazer omelete! =P

Sempre defendemos que cozinhar não é assim tão trabalhoso e demorado como pensamos. Slow food é um conceito maravilhoso! – mas que só funciona para restaurantes especializados, um num fim de semana raro de folga de verdade. Na vida real da gente, dia-a-dia, infelizmente temos pouco espaço para a beleza da cozinha lenta. Mas existem muitas formas de cozinhar de forma rápida, mas igualmente saudável!

O Jamie Oliver também pensa assim (veja o Food Revolution!). E foi o que me fez seguir o canal dele no Youtube. Olha só quantos vídeos inspiradores para encorajar-nos a cozinhar mais em casa:

Uma refeição em menos de cinco minutosÉ o desafio a que o chef se propõe, e, claro consegue vencer, motivando adolescentes ingleses a cozinhar a própria comida.

http://www.youtube.com/watch?v=5z_d0soK1cI

Cozinha completa, mas minimalista – Esqueça o consumismo das centrífugas e jogos de faca do polishop! Pode parecer uma grande lista, mas você já deu uma olhada nos seus armários da cozinha?

http://www.youtube.com/watch?v=fGuCTm5clYA

Jamie x Nuggets – Onde ele acaba com miojos, nuggets e outros processados que prometem comida rápida, fácil e barata.

http://www.youtube.com/watch?v=RKCYucvop1U

Para quem se interessa pelo tema, vale conhecer o Food Revolution que o chef britânico promove. Aqui no Brasil, nossa parceira Nadia Cozzi também está botando a mãe na massa para mobilizar uma Revolução na Alimentação por cá! Para participar, envie um email para ela: nacozzi@hotmail.com

boa diversão e bom apetite! 🙂

 

**UPDATE: e falando em rapidez na cozinha…olha que coicidência: a Lu Guilen acaba de postar uma sugestão deliciosa de lanche rápido e saudável! Boa pedida pra um picnic de feriado! 🙂 A receita vai já pro nosso Pinterest! Aliás, o blog dela e nosso pinterest estão recheados de boas idéias pra cozinhar rápido e com saúde

Vou de bicicleta, e você?


ImagemPost originalmente publicado na Revista Ecológico online

 

A cada dia, mais pessoas estão aderindo à moda de ir e vir de bicicleta. Isso é uma ótima mudança pelos inúmeros motivos que já sabemos: redução do número de carros em circulação, redução da poluição, diminuição dos engarrafamentos e por aí vai. Se analisarmos do ponto de vista de saúde, a lista de benefícios cresce ainda mais: melhora do condicionamento físico, exercício para o bom e velho coração, arejamento do cérebro e mais um monte de coisas boas.

Se andar de bicicleta é tão bom para as pessoas e para as cidades porque ainda estamos tão atrasados?

É isso mesmo. Se compararmos a realidade das grandes cidades brasileiras com a das demais metrópoles do mundo vamos perceber que estamos muito longe. Em cidades da Europa a bicicleta é veículo de transporte público. Em Barcelona a prefeitura mantém pontos estratégicos de bicicletas públicas onde as pessoas podem retirar as bicicletas,  deslocarem-se e devolverem em outro ponto. Esses pontos são interligados por uma rede de ciclovias que dão segurança e tranquilidade para os ciclistas.

Em terras tupiniquins a coisa é bem diferente. Ainda somos estimulados a usar e comprar carros. Em BH e SP, por exemplo, as prefeituras estão criando ciclovias em algumas avenidas, mas é só isso. Não existem políticas públicas efetivas de estímulo e incentivo às pedaladas. As prefeituras, os governos e afins não facilitam o uso da magrela. Por que não reduzir os impostos sobre as bicicletas? Porque não criar estacionamento para bicicletas nos centros? Porque não criar bicicletários nas estações de metrô e de ônibus? Porque não criar pontos públicos de bicicletas?

Recentemente em BH passei a utilizar o metrô no meu deslocamento diário para o trabalho. Procurei na estação um local para guardar a minha bicicleta, mas fui informado que na Estação 1º de Maio não existem locais disponíveis para as bicicletas e que no metrô elas tem regras muito restritas só podendo circular nos trens depois da 20h30. Enfim, no metrô de BH as bicicletas ainda não são bem vindas.

Leia também:

Seja um anjo! Vá de bicicleta!

Quando se trata de mobilidade urbana é necessário ter coragem e ousadia. Infelizmente nossas autoridades insistem nas velhas e ineficientes alternativas de transporte. Melhorar a mobilidade requer investimentos altos, porém os benefícios são enormes. Quando se relativizar a supremacia do transporte rodoviário no Brasil em favor dos trens, por exemplo, teremos menos mortes nas rodovias. Quando tivermos mais segurança para os ciclistas, vamos ter muito menos horas nos engarrafamentos, ônibus entupidos e outros problemas tão comuns no nosso dia a dia.

Que venham as bicicletas!!

Shampoo caseiro


Gente, rola uma conversa bem legal no nosso grupo de emails Lares Ecológicos sobre alternativas mais naturais e ecológicas aos xampus e condicionadores. E eis que a Andrea enviou um link super legal, com receitas ótimas!

Aqui vai a receita de xampu caseiro (embora eu ainda não tenha testado…)

Mais receitas aqui no blog da Adri

Também vale a pena ler este método para acabar com xampu na sua vida para sempre!

Mude! Ponha mais verde no seu dia a dia!


Post do Dan, originalmente publicado na Revista Ecológico online.

A sua casa pode ser considerada um lar sustentável? Você está conseguindo manter as ações e atitudes ambientalmente corretas na sua casa? Estas são algumas perguntas que hoje surgiram na minha cabeça.

Em casa, já ha algum tempo, estamos eu, minha esposa Carol e nossa bebê Júlia procurando tornar o nosso dia a dia mais sustentável. Não é uma tarefa fácil, mas já temos visto e sentido os benefícios.

Imagem

Resolvemos experimentar algumas mudanças para tornar o nosso lar mais sustentável. Reduzimos drasticamente o consumo de carne, passamos a reutilizar a água da máquina de lavar roupas e agora da banheira da Júlia, paramos de usar produtos de limpeza tradicionais e adotamos a limpeza ecológica, colocamos lâmpadas econômicas nos locais de casa que são mais utilizados, adotamos a separação e seletiva de lixo, passamos a fazer a compostagem do nosso lixo orgânico, estamos utilizando fraldas ecológicase mais!

É suficiente? Claro que não! Mas acreditamos que estamos no caminho certo. Algumas dessas mudanças geraram um pouco mais trabalho e não são fáceis de ser assimiladas, mas o segredo é incorporar essas mudanças no dia a dia de forma prática. 

Um ponto é criar facilitadores para que as mudanças não sejam pesadas. Por exemplo: O local para se colocar o lixo deve ser de fácil acesso com as caixas já separadas para cada tipo de material. O recipiente para receber a água da máquina deve estar sempre ao lado e pronto para receber a água. Enfim, as coisas devem estar à mão.

O sucesso de uma mudança verde depende também do retorno que ela lhe proporciona. Se o retorno está sendo positivo, a mudança tem tudo para pegar. Se o retorno é negativo, o desânimo vem junto e a mudança já era. 

Quando resolvemos diminuir o consumo de carne o resultado foi surpreendente. A nossa saúde melhorou, o nosso orçamento com comida ficou bem mais leve, sem contar com as inúmeras descobertas gastronômicas que fizemos no mundo vegetariano. Tudo isso ajudou a mudança ser incorporada sem traumas.

 Já com o minhocário a coisa não foi tão bem. No início estávamos empolgados com as minhocas e com a compostagem caseira, mas aos poucos o sistema foi se desequilibrando até que ele parou de funcionar. Resultado: desistimos das minhocas e agora estamos fazendo outro tipo de compostagem.

Toda mudança traz consigo a insegurança porque estamos optando por algo novo, que pode ou não dar certo. Do ponto de vista ambiental a mudança é necessária e cabe a nós um pouco de esforço e dedicação para que os novos hábitos sejam incorporados no nosso dia a dia e gradativamente nos tragam benefícios materiais, ambientais e psicológicos.

Imagem

Coloque no seu dia a dia uma pitada de sustentabilidade. 

Faz bem pra você e o mundo agradece.

 

Um abraço.

Meus desafios para Novembro


Se você acompanha o blog há mais tempo, sabe que costumávamos fazer desafios mensais por aqui. Desde o início deste ano, acabamos suspendendo os desafios (que provavelmente voltarão como uma newsletter mensal, para o grupo LaresEcologico 🙂

Pessoalmente, decidi colocar dois desafios para mim para o próximo mês (o último da gestação, iupi! \o/) :

1. Reduzir o consumo de carne: já fomos vegetarianos por um mês, semi-vegetarianos por mais de ano, e agora, honestamente, temos relaxado um pouco. Não sei se são vontades da gravidez ou preguicite mesmo… O Dan apontou isso e notei que preciso ter mais cuidado com minha alimentação, porque ultimamente, com festinhas e visitas várias, acabamos por comer mais carne, algum refrigerante e muito carboidrato.

Meta: Comer carne no máximo 2 vezes por semana, procurar comer peixe 1 vez por semana. Obs.: como “carne”, recheios de pastel, empadinha e outros salgadinhos contam!

2. Ir deitar mais cedo e acordar mais cedo: sempre fui mais matutina. É de manhã que rendo mais, tenho energia e minha mente está mais livre. Depois de casar, acabei acompanhando o ritmo do Dan, que é mais noturno, e minha hora de dormir avançou em média uma hora. Pois resolvi fazer um esforço e planejo deitar-me mais cedo a partir da próxima semana. Quero poder dormir melhor antes da bebê nascer, e também ter energia para levantar antes do despertador tocar, tomar um banho de sol por alguns minutos, dar um jeito na casa ou avançar em alguma leitura – coisas de que gosto e preciso, mas nem sempre sobra tempo e energia a noite para fazer.

Como a Isabela Menezes (nossa amiga do movimento Transição) bem observou, vivendo mais durante o dia usamos mais a luz natural, e menos energia elétrica. Você já parou para pensar em quanta energia se gasta simplesmente pelo fato de que as gerações estão cada vez mais mantendo-se acordadas à noite? E quanta boa energia solar (ótima para iluminar, limpar e trazer saúde) a maioria de nós desperdiça enquanto estica o sono pelas manhãs enquanto já há claridade lá fora?

Meta: Adotar como rotina ir deitar no máximo 23h (1 hora e meia mais cedo), e acordar às 6h30 (1 hora mais cedo).

Desejem-me boa sorte! 🙂

Fraldas de pano, a grande questão!


Sogras, cunhadas, avós, todas dizem – e minha mãe gostaria de dizer, se não conhecesse minha teimosia 😀 : …mas as fraldas descartáveis são muito mais práticas!!

Elas têm razão. Fraldas descartáveis são mesmo muito práticas, isso não tem como negar. Tirar a fralda com xixi ou cocô e jogar direto no lixo…e o lixo que se vire. É a solução perfeita. Assim como, aliás, nos habituamos a pensar – ou não pensar – ao escolhermos copos, talheres, pratos, guardanapos e embalagens descartáveis.

Ou melhor, seriam a solução perfeita, não fosse o fato simples e fatal: vivemos num planeta finito. A disponibilidade e baixo custo do plástico – pelo menos como conhecemos hoje, o de petróleo – não vai ser para sempre. E o problema de dispor lixo é cada vez maior – você sabia, por exemplo, que na cidade de São Paulo o lixo percorre de 15 a 30 km até seu destino final? Em cidades litorâneas o problema é cada vez maior: na Baixada Santista cogita-se subir a Serra do mar com o lixo, pois está difícil licenciar novos lixões (ou “aterros”) em áreas remanescentes de mangues e restingas.

E você sabia que um bebê usa cerca de 5.500 fraldas descartáveis até o desfralde, e que elas levam cerca de 450 anos para se decomporem?! Ou seja, vai-se você, o bebê, o filho do bebê, o neto dele, o tataraneto….e as fraldas de cada geração só vão se acumulando….imaginem só que montanha de fraldas!!

Bem, como eu e o Dan estamos empenhados de verdade numa vida mais sustentável, para dar nossa contribuição de um futuro melhor para a Julia (que vai nascer daqui a quatro meses), não podemos fingir que esses problemas não existem. Então temos considerar seriamente a opção de fraldas reutilizáveis, ou biodegradáveis.

Mas nossa vida é bem corrida, e confesso que já estava desanimando dessa idéia, até conhecer o grupo de e-mail fraldadepano. Lá ouvi de mães de verdade, que trabalham como eu, que fraldas de pano são viáveis. Estou conhecendo vários nomes, marcas e lojas, e logo vou passar para vocês aqui no blog. E, claro, pretendo experimentar algumas marcas e compartilhar com vocês o que dará certo ou não em casa, com a Julia.

Desejem-me boa sorte! 😀 Por enquanto, vou deixá-las com o ótimo depoimento da Laura Morgado, mãe da Maitê 🙂

Inspiração via Pinterest: eco-baby

A internet e a sustentabilidade


Costumo dizer que a internet é possivelmente a maior invenção humana, e melhor – com o menor impacto ambiental relativo. Ok, talvez eu esteja enganada, não tão menor impacto assim… A internet tem levado a milhões de computadores nas casas, entre desktops e notebooks para cada membro da família. Redes wi-fi conectadas 24h por dia, com telas e dados consumindo energia…isso sem falar no alto consumo das centrais de servidores (coisas que nós, reles mortais, nunca imaginamos como algo físico, real).

A respeito disso, vale a leitura:

How can solar energy power computers?

The efficiency of Google servers in electricity consumption

É por isso que a gente deveria usar a internet de forma mais produtiva. Como está colocado de forma ótima neste post, o maior problema é que geralmente a usamos de forma um pouco inconsequente, e assim ela vira mais um “ralo de produtividade” que algo realmente útil.

Então, vamos lá dar uma olhada em como a internet pode ser o “mocinho” na questão ambiental:

1. Mobilização social: hoje em dia, até mesmo antiquadas empresas e governos reconhecem a força que a internet tem para mobilizar pessoas, vizinhos, sociedades e até mesmo comunidades globais em torno de uma causa. Enquanto antes era necessário ser famoso para aparecer, hoje qualquer pacato cidadão pode ter sues minutos de fama e sua voz divulgada por, pelo menos, centenas de pessoas, ao multiplicar suas opiniões, “likes” e “dislikes” do Facebook e outras plataformas. Pense em como uma família ficou repetinamente famosa ao cantar singelamente o “Para Nossa Alegria”. Ok, isso pode não ter trazido nada de útil para a humanidade. Já o blog da pequena Martha causou rebuliço e conseguiu mudanças concretas no cardápio antes nada saudável de sua escola. Outro exemplo, mais institucionalizado, mas que também vale, são as campanhas ambientalistas lançadas, como a famosa contra o retrocesso no Código Florestal Brasileiro.

2. Compras online: e-comércio evita custos de uma loja aberta, com gastos de energia, produtos de limpeza, etc. Tudo bem, temos que levar em conta a emissão de carbono do transporte, mas talvez seja bem menor que aquela de vários carros indo para a loja, muitas vezes para voltar sem levar nada porque não encontou o que queria, concorda? Para fazer pesquisa de preço, basta acessar um site como o Buscape ou o Bondfaro, sem ter que rodar de loja em loja. Até roupas e calçados são vendidos assim hoje em dia. A cada semana, eu encomendo por email minhas compras de orgânicos e recebo no meu local de trabalho.

3. Evitar impressões: e-mails em vez de cartas, sites em vez de panfletos e cartões de visita, e-books em vez de livros em papel. Muitas árvores são poupadas! Na escola, a internet diminui as infindáveis cópias xerográficas de livros e revistas científicas, que seriam jogadas fora ao final do semestre. Muita gente não gosta, entretanto, de ler em tela. Eu eu entendo perfeitamente. No caso de textos longos que você prefira imprimir, lembre de usar papel rascunho ou as duas faces da folha.

4. Rede – trocas:  a internet pode fazer as pessoas ficarem mais retraídas em suas casas e substituírem o convívio real pelo virtual. Isso não é legal, é claro. Mas se você souber usar bem a internet, ela pode conectar você com amigos sumidos há tempos, com pessoas de interesses comuns, e até mesmo vizinhos de seu bairro – que você provavelmente nem conhece pessoalmente. Além da relação social, que também tem tudo a ver com uma vida sustentável, essas redes podem ser muito úteis para se estabelecer comunidades de trocas, compartilhamento de carros, caronas, equipamentos e habilidades, etc. Eu estou me filiando à comunidade do meu bairro no Facebook. Que tal você também tentar isso e aproveitar a rede para divulgar campanhas, doações, festas comunitárias, etc?

Pois é, a internet pode ser útil e sustentável, desde que bem usada. Para você não se perder no emaranhado da rede, aqui vão algumas dicas:

  • Controle-se : Fique na internet apenas o tempo necessário. Viva a vida lá fora mais do que virtual!
  • Apague assinaturas, feeds, malas diretas e grupos que não mais lhe interessam. Livre-se do lixo eletrônico. Mantenha simples: acostume-se a alimentar seu cérebro com menos informações, mas que sejam relevantes.
  • Veja se seu banco e operadora de cartão de crédito podem lhe enviar faturas e extratos apenas pela internet. Assim economiza-se papel e correio.

Você tem mais idéias de como a internet pode poupar os recursos naturais? Conte pra nós nos comentários.

Beleza é fundamental…


Vinicus de Moraes que me desculpe, mas ele era feio pra burro… Acho a famosa frase dele “As feias que me desculpem, mas beleza é fundamental” um tanto machista. Mas que beleza é fundamental, com isso eu concordo. Acho que todos nós precisamos do conforto da beleza no nosso dia-a-dia.

Mas a beleza necessária não é esse tipo de beleza a que somos quase doutrinadas, e que na verdade mais causa estresse do que conforto. Não é beleza de roupa de grife, nem beleza de maquiagem e outros disfarces. O que considero fundamental é uma beleza mais pura, mais natural.

Belo é aquilo que agrada aos olhos, que traz uma sensação de conforto e de saúde. Tanto um rosto quanto uma paisagem podem ser belos nesse sentido. Você pode não ser a pessoa mais bonita do mundo (afinal quem é? aposto que a atriz que você considera perfeita também encontra em si mesma vários defeitos). Por outro lado, você pode saber aquilo que você tem de bom, tanto física quanto psicologicamente, e valorizar isso, puxando sempre pelo lado positivo.

Nessa beleza de que estou falando, não está inclusa aquela pose que fazem as meninas parecerem as mesmas nos perfiis do Facebook. Entram, sim: um cabelo penteado, uma composição de roupa equilibrada, um corpo sadio, um prato colorido, uma casa limpa, um escritório em ordem e sem coisas demais, um jeito de levar a vida sem estresse.

Mais tarde coloco umas fotos pra ilustrar a idéia 🙂

Por enquanto (e pra atender à mulherada que deve ter ficado procurando receitas de beleza nesse post), aqui vão algumas dicas de beleza natural:

  • Limpeza, esfoliação e hidratação. Básico que funciona. Não precisa se esfoliar todos os dias, limpeza a gente já faz até demais nos banhos, e hidratação depende da sua pele e clima em que você vive. Não há segredos.
  • Esqueça os produtos caros. A maior parte dos milagrosos é pura ilusão. Converse com seu dermatologista e peça a verdade.
  • Limpeza: basta um pouco de um bom sabonete ou xampu (quanto mais orgânico melhor) e água.
  • Esfoliação: um bom creme é a mistura de mel e açúcar cristal. Esfolia, nutre, deixa um cheirinho bom e sai faiclmente com água.
  • Hidratação: palavra de grávida: o óleo e amêndoas, baratinho em qualquer farmácia, funciona tanto quanto bons hidratantes.
  • Celulite e estrias: massagem, hidratação, boa alimentação e exercício funcionam tão bem quanto as últimas tecnologias do mercado. De resto, minha cara, são genéticas: aprenda a conviver com elas.
  • Desintoxique o corpo e a mente relaxando e comendo frutas com frequencia.
  • Por fim, e mais importante: Beleza vem mesmo de dentro pra fora, minha gente. Os mais eficientes tratamentos de beleza são gratuitos e você pode fazer em casa: durma bem, tenha uma rotina saudável, exercite-se na medida, tome sol em horários adequados, alimente-se com variedade e equilíbrio. Você vai se sentir e ser uma pessoa mais bonita e agradável para você e para os outros.

Cuide-se – ou dicas de sustentabilidade mental


Hoje vou dar uma de tia….mas não vou mandar na forma de apresentação de power point com fotos de lugares distantes e música bonita (embora uma boa música para acompanhar o post bem que cairia bem)…

Obrigada à Silmara, amiga e leitora do blog, por enviar este email. Tem muitas dicas boas, valeria a pena imprimir numa tipografia legal, emoldurar e pendurar em casa 🙂

1. Caminhe de 10 a 30 minutos todos os dias e sorria enquanto caminha.

2. Ore na intimidade com Deus pelo menos 10 minutos por dia, em segredo, se for necessário.

3. Escute boa música todos os dias. A música é um autêntico alimento para o espírito.

4. Ao se levantar de manhã, fale "Deus, meu Pai, Te agradeço por este novo dia".

5. Viva com os 3 "E": Energia, Entusiasmo e Empatia. 6. Participe de mais brincadeiras do que no ano passado.7. Sorria mais vezes do que o ano passado.

8. Olhe para o céu pelo menos uma vez por dia e sinta a majestade do mundo que rodeia você.

9. Sonhe mais, estando acordado.

10. Coma mais alimentos que crescem nas árvores e nas plantas, e menos alimentos industrializados.

11. Coma nozes e frutas silvestres. Tome chá verde, muita água e um cálice de vinho ao dia. Cuide de brindar sempre por alguma das muitas coisas belas que existem em sua vida e, se possível, faça em companhia de quem você ama.

12. Faça rir pelo menos 3 pessoas por dia.

13. Elimine a desordem de sua casa, seu carro e seu escritório. Deixe que uma nova energia flua em sua vida.

14. Não gaste seu precioso tempo em fofocas, coisas do passado, pensamentos negativos ou coisas fora de seu controle. Melhor investir sua energia no positivo do presente.

15. Tome nota: a vida é uma escola e você está aqui para aprender. Os problemas são lições passageiras, o que você aprende com eles é o que fica.

16. Tome o café da manhã como um rei, almoce como um príncipe e jante como um mendigo.

17. Sorria mais.

18. Não deixe passar a oportunidade de abraçar quem você ama. Um abraço!

19. A vida é muito curta para você desperdiçar o tempo odiando alguém.

20. Não se leve tão a sério. Ninguém faz isto.

21. Não precisa ganhar cada discussão. Aceite a perda e aprenda com o outro.

22. Fique em paz com o seu passado para não estragar o seu presente.

23. Não compare sua vida com a dos outros. Você não sabe como foi o caminho que eles tiveram que trilhar na vida.

24. Ninguém está tomando conta da sua felicidade a não ser você mesmo.

25. Lembre que você não tem o controle dos acontecimentos, mas sim do que você faz deles.

26. Aprenda algo novo cada dia.

27. O que os outros pensam de você não é de sua conta.

28. Ajude sempre os outros. O que você semeia hoje, colherá amanhã.

29. Não importa se a situação é boa ou ruim, ela mudará.

30. O seu trabalho não cuidará de você quando você estiver doente. Seus amigos sim. Mantenha contato com seus amigos.

31. Descarte qualquer coisa que não for útil, bonita ou divertida.

32. A inveja é uma perda de tempo. Você já tem o que você precisa.

33. O melhor está ainda por vir.

34. Não importa como você se sente: levante, vista e participe.

35. Ame sempre com todo o seu ser.

36. Telefone para seus parentes frequentemente e mande emails dizendo: Oi, estou com saudades de vocês!

37. Cada noite, antes de deitar, agradeça a Deus por mais um dia vivido.

38. Lembre que você está muito abençoado para estar estressado.

39. Desfrute da viagem da vida. Você só tem uma oportunidade, tire dela o maior proveito.

Offline


Não sei, talvez seja a gravidez…talvez não. O fato é que antes eu chegava em casa após o dia de trabalho, fazia algumas coisas e corria para ligar o computador e ficar navegando na internet, conversando via Skype, pesquisando e recheando o blog.

Agora chego em casa e não tenho a menor vontade de ligar o computador. Já passo o dia inteiro na frente dessa telinha brilhante…coisa mais chata ligar de novo à noite… estou preferindo muito mais aproveitar a vida real, conversar ao vivo, ler, passear…

Organizar para viver melhor


post-its! (01-08-08)
post-its! (01-08-08) (Photo credit: sun dazed)

Você pode se perguntar: mas o que organização tem a ver com sustentabilidade? Na minha opinião, muita coisa. Se você for muito desorganizado, provavelmente vai ter dificuldades em cuidar da sua alimentação e mesmo observar e mudar seus hábitos para uma rotina menos impactante. Com organização, sobra tempo e energia para nos dedicarmos a coisas mais importantes do que pagar contas atrasadas, procurar documenttos, etc. E afinal, uma vida mais equilibrada é sem dúvida uma vida mais saudável e sustentável.

Eu não sou o melhor exemplo de organização, não, mas gosto muito de organizar e já li um tanto a respeito, e resolvi compartilhar algumas dicas valiosas:

  •  Regra de ouro: não confie na memória. Hoje em dia temos coisas demais na cabeça. Ser organizado é saber onde guardar cada coisa, inclusive o que precisa ser lembrado – anotando tudo no local apropriado. Quanto menos lugares espalhados, melhor. Acabe com os terríveis papeizinhos espalhados pela casa e pelos bolsos com telefones, compromissos, etc. Concentre tudo em uma agenda ou lista de tarefas em lugar bem visível.
  •  A boa e velha agenda: vamos lá, não tem nada mais simples de usar e eficaz que uma agenda, principalmente de papel. As virtuais não têm funcionado muito bem para mim. Quando terminar o ano, reuse-a retirando as folhas em branco e usando para anotações.
  • Não deixe para depois: diz a regra que se algo pode ser feito em 5 minutos, você deve fazer imediatamente, evitando acumular coisas “para depois”.
  • Passo-a-passo: não adianta querer organizar a casa toda de uma vez, mas se sinta incapaz. Comece aos poucos, dez minutos por dia, arrumando uma gaveta, a papelada do escritório etc.
  • Correio: falando em papéis, ao chegar uma correspondência, abra de uma vez. Se é inútil, jogue fora. Se precisa ser arquivada, arquive já. Se precisa de consideração posterior, coloque na agenda, ou num, mural com o prazo para resolver escrito em colorido.
  • Fácil de ver: abuse de cores para facilitar a visualização. Isso serve para lembretes e . Um post-it colocado em um lugar que você olha sempre, como a geladeira ou a porta, funciona (desde que vc não o deixe lá por semanas ou você encha a geladeira deles).
  • Peça ajuda: ninguém dá conta de fazer tudo e ser tudo – viu, mulherada?? Uma boa dona de casa não é aquela que faz tudo sozinha, e receber bem os amigos não quer dizer fazer tudo na própria cozinha. É melhor, se necessário, comprar coisas prontas, pedir ajuda e ter tempo – e cabeça – para lembrar de checar se o banheiro está abastecido de papel higiênico e a toalha está limpa. Quando precisar, compre pronto, peça ajuda ou pague pelo serviço.
  • Filtre as informações: tem um artigo bem legal sobre “dieta de informação” aqui. Nesse mundo de hiperinformação, para sua própria saúde mental, cancele assinatura de malas diretas e grupos desnecessários, de amigos chatos do facebook, revistas e jornais que não lê mais, etc. Menos é mais.

Querido diário, faz um mês que não uso desodorante….


Bicarbonato de sódio: a oitava maravilha da humanidade

Tenho uma confissão a fazer: sim faz um mês (ou mais já) que não uso desodorante. Que? Endoidei de vez, virei hippie, levei a naturebice ás últimas consequências?!?

Não, calma. Tudo começou quando troquei o desodorante que tinha no banheiro e o que tinha na necessaire. A necessaire ficou no serviço, e quando ia usar o desodorante que antes era de viagem, descobri que estava fora da validade! Como não tinha outro desodorante em casa – exceto o do Dan, mas cheirar a perfume de homem não me parecia atraente…. – lembrei de uma dica que tinha lido em algum lugar. Bicarbonato de sódio. Claro, sempre ele. Pinguei umas gotas de hidratante perfumado na mão, polvilhei bicarbonato e passei nas axilas. Bingo! Funciona, e eu me arrisco a dizer que, pelo menos pra mim, tem funcionado melhor que os desodorantes tradicionais!

Você já deve ter ouvido falar que os antitranspirantes comuns têm não-sei-o-que de alumínio, que faz mal à saúde. Há quem diga até que pode ser uma das causas de câncer de mama. Bem, se posso trocar pelo bicarbonato com hidratante, não tive dúvidas. Agora sempre deixo o hidratante e um paliteiro com bicarbonato na estante do closet.

Melhor solução até agora…..pelo menos enquanto não descubro que bicarbonato usado demais tem efeitos colaterais…hahah

Viajando barato com formas de consumo colaborativo


Muita gente deixa para tirar férias em janeiro. Descansar, curtir o sol, a montanha, a fazenda, conhecer lugares novos… viajar é sempre bom. O problema é o dinheiro. Nem sempre temos grana para conhecer os lugares que gostaríamos de visitar.

Mas tem uma boa solução para isso, dentro do que chamamos Consumo Colaborativo. É uma forma de alugar um quarto, ou até mesmo um sofá, em casa de pessoas no seu destino, e assim conhecer de perto a rotina do lugar e de quebra pagar baratinho.

Ano passado Dan e eu estivemos na Europa, e usamos o Airbnb para encontrar hospedagem barata em Barcelona e em Roma. Foi uma ótima experiência.

Além de termos reduzido muito o preço da viagem, conhecemos a simpaticíssima italiana Stefania, com seu apartamentos arrumadinho sempre com boa música ambiente. Ela adora Caetano e outros músicos brasileiros, e demos para ela uma grande quantidade de músicas em mp3. Conhecemos também a brasileira-barcelonense Bruna, que deu altas dicas de compras e tansporte em Londres. O apartamento dela ficava a pouca distância do ponto de chegada do ônibus do aeroporto e perto também das Ramblas: fizemos tudo a pé.

O legal nesses sistemas colaborativos é que a própria comunidade ajuda na segurança e na avaliação de qualidade. Você deixa um comentário sobre seu anfitrião (ou hóspede, se você resolver alugar um quarto pelo site e assim ganhar uma grana extra). Assim os próximos usuários saberão o que esperar – se o lugar é barulhento, se o anfitrião não é gentil, se tem cheiro de cigarro, se tem bicinhos de estimação, enfim, tudo é dito.

Dicas para viajar como bom "hóspede":

  • Lembre-se que não é um hotel. Não atrapalhe a rotina da casa. Não perca as chaves, e leve seu celular para se comunicar com seu anfitrião (esse foi um grande erro nosso, que nos deixou super constrangidos quando nos perdemos e atrasamos no check-in!!)
  • Leia todos os comentários e avalie se o lugar onde você pretende ficar lhe atende, quanto a distância, facilidade de transporte, tipo de família onde vai se hospedar. Assim como hotéis, quanto mais você estiver disposto a pagar, mais vantagens pode ter, como café-da-manhã (nem sempre incluso), um quarto mais privativo, etc.
  • Lembre-se que você é responsável por sua segurança: busque todas as indicações do anfitrião ou hóspede, peça referências, fotos, pesquise nas redes sociais sobre a pessoa. Diga exatamente o que você espera e o que você não quer.
  • Leve uma lembrancinha de seu lugar de origem. Um mimo sempre agrada!

Você também pode experimentar algo menos confortável, mas ainda mais vantajoso financeiramente: conheça o Coachsurfing.

Outra dica: programe viagens em grupo e dê caronas para amigos que vão para a mesma direção. Se for viajar de avião, um site excelente para acomoanhar promoções é o melhoresdestinos.

Boas férias!